segunda-feira, 5 de setembro de 2016

O império foi, é e será um paradoxo



O império,  de ontem, e as memórias, ainda hoje, o enevoam, mergulham no paradoxo, uma espécie de gigante com pés de barro. Mas as revelações feitas ao espírito pela transcendência apenas podem expressar-se numa nova forma, mescla íntima de saber e não saber, provocação mais do que certeza. Assim é, precisamente, o paradoxo. De tudo aquilo que estudei, foi-me dado concluir que continuo em análise paradoxal. Porque a política sempre foi metapolítica. A citação é de Emmanuel Mounier, depois de ter dito que não há civilizações que não sejam metafisicamente orientadas...